sábado, 28 de fevereiro de 2009

Compare um pouco...

Extraído de http://www.rodrigovianna.com.br/ . Um bom comparativo do trato que a mídia gorda e reacionária dá ao jornalismo político.

Em 2005, Roberto Jefferson deu uma entrevista exclusiva à "Folha", em que
lançava dezenas de acusações contra o governo federal. Foi nessa entrevista,
também, que Jefferson cunhou a expressão "Mensalão". Vocês se lembram da manchete da "Folha de S. Paulo" na época? Não?Então, relembremos: "PT dava mesada de R$ 30 mil a parlamentares, diz Jefferson".

Agora, comparemos com o título da última sexta-feira (20/02/2009 - no "pé" da primeira página da "Folha"), sobre a denúncia do PSOL de Luciana Genro contra Yeda Crusius, governadora do PSDB:"Sem provas, PSOL acusa tucanos de corrupção no RS". "Para ´Folha´, ele pode acusar à vontade, mas Luciana Genro precisa apresentar provas" Por que este "sem provas" tão cuidadoso, no título da última sexta-feira (20/02/2009)? Por uma questão de isonomia, o correto seria "Governo tucano
corrupção e caixa dois, diz PSOL".

Por que o mesmo "sem provas" não apareceu na manchete quando Jefferson deu sua entrevista? Hum... Bem, talvez para a "Folha", Jefferson valha mais do que o PSOL. Gosto não se discute. Ou, mais provável: qualquer denúncia contra o partido de Serra (o editorialista preferido da família Frias) merece todo cuidado!

Por que a sigla "PSDB" não aparece nem na primeira página, nem na
manchete de página interna? (Isso me lembra a cobertura da "Globo", na reta final da eleição de 2006. Os aloprados que tentaram comprar o dossiê contra Serra eram "petistas". O Freud Godoy era "petista". Na hora de falar de Abel Pereira, um sujeito que intermediaria negócios na gestão de Barjas Negri (PSDB) no Ministério da Saúde, aí ninguém falava em "governo do PSDB". A fórmula era: "ministro no governo anterior".)

Mas, voltemos ao caso da corrupção no Rio Grande do Sul. A denúncia é gravíssima. E já há um cadáver.Marcelo Cavalcante, ex-assessor de Yeda Crusius, apareceu morto no Lago Paranoá, em Brasília.Ele deveria ter uma reunião com o Ministério Público Federal em Brasília, logo após o Carnaval.Hum, hum...

"Cavalcanti trabalhava para governadora do PSDB; corpo dele apareceu boiando em Brasilia" Na "CartaMaior", em reportagem de Marco Aurélio Weissheimer * (http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=15702), leio que os parlamentares do PSOL que fizeram a denúncia "disseram que a governadora Yeda Crusius reuniu-se com Marcelo, semana passada, em Brasília, informação confirmada pela esposa do mesmo. Segundo a deputada, o presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, teria participado da conversa que não teria sido nada amigável, o que foi negado no final da tarde pelo senador tucano."Hum, hum, hum...

Imagine se um ex-assessor do governo da Bahia, do PT, tivesse morrido, poucos dias antes de depor ao Ministério Público, num caso que envolve corrupção?
Imagine as manchetes a essa altura? Eu imagino: "Ex-assessor petista aparece morto em Brasília". Seria manchete semana inteira, com matéria na "Veja", e editorial na "Folha". A essa altura, confesso que nada do que vem da "Veja" ou da "Globo" de Ratzinger me surpreende mais. Mas, é triste constatar que a "Folha" também tomou o caminho da indecência jornalística. Nesta sexta-feira, esse comportamento indecente aparece em dois momentos: na manchete a proteger tucanos gaúchos do PSDB, e na resposta mal-criada a dois intelectuais que "ousaram" contestar editorial da família Frias, sobre a ditadura militar. **

* Marco Aurélio é também o cara do RS Urgente.

** Editorial da Folha de SãoPaulo já rendeu muita discussão, mas veja isso e isso.

Um comentário:

Suely disse...

Oi, Dire!

Tudo isso me dá nojo!!!

E o pior é que quando fazemos contraponto, quando buscamos mostrar outras versões... ah! são tudo PT! = não podem ser levad@s a sério!
Esses p.... são muito fortes; e nós desorganizad@s!!!

Abraços!